(+55) 79 2105-6678
+

Popularizando e fomentando o ingresso de meninas sergipanas na área de Ciência da Computação, EC e SI visando a crescente demanda de profissionais no contexto estadual, nacional e internacional de TI (MCTI/CNPq/SPM-Processo 420160/2013-2)

Segundo Telles (2012), o Brasil enfrenta hoje um grave problema que é a falta de engenheiros. A área de Ciência da Computação (CC), Sistemas de Informação (SI) e Engenharia da Computação (EC), conhecida muitas vezes como área de Tecnologia da Informação (TI), está ligada intimamente às engenharias e tem constantemente indagado sobre a carência de profissionais capacitados nessa área estratégica no país e no mundo. Em 2007, Astfalk, cientista chefe da HP, já afirmava que a área de TI geraria uma grave crise no setor em um período de cinco anos, caso a demanda desses profissionais crescesse mais rapidamente que a formação dos mesmos pelas universidades (Computer World, 2007). Essa informação tem se confirmado. Em 2013, segundo a Cisco (em pesquisa realizada pela IDC-International Data Corporation (InfoEscola, 2013)),  a falta desses profissionais já é latente no mercado. A IDC, ainda afirma que existe atualmente no Brasil uma carência de cerca de 39,9 mil profissionais de tecnologia: “Até 2015, esse número deve crescer para 117 mil vagas abertas sem que os empregadores encontrem profissionais qualificados para atendê-las" (INFOEXAME, 2013). Infelizmente, essa carência detectada não é privilégio brasileiro, mas ocorre em toda a América Latina, “até 2015, a demanda por profissionais nessa área deve superar a oferta em 27%”, segundo a (INFOEXAME, 2013).

Atualmente na área de redes (subárea de CC, EC e SI),  o Brasil  tem 22 mil novos formandos, enquanto a demanda é por 40 mil. E segundo a (InfoEscola, 2013) esse número triplicará. Adicionando a esse cenário, a Microsoft afirma que a área de Computação em Nuvem (outra área de CC, EC e SI vinculada à redes de computadores e segurança da informação) irá criar 14 milhões de empregos até 2015 no mundo, segundo pesquisa IDC (Computer World, 2012). 

A IBM também corrobora com essa perspectiva de demanda e, ainda acrescenta que considerando que hoje cerca de aproximadamente 1,5 bilhão de pessoas usam regularmente as redes sociais, é latente a necessidade de profissionais em tecnologias móveis, nuvem e segurança da informação (Computer World, 2013). A IBM afirmou que nos próximos 2 anos, 70% das empresas irão aumentar investimentos nessa área e necessitam profissionais qualificados (Computer World, 2013).

Popularmente, no Brasil quando fala-se da área da Engenharias e Computação, a mesma provoca a sensação de uma carreira árdua, difícil e com poucos atrativos, vulgarmente, descrito como "um bicho de sete cabeças" pelos alunos. Segundo Telles (2012), essa sensação deve-se ao mau preparo dos alunos em disciplinas como física, química e matemática no ensino médio, o que alimenta o receio relacionado à área. Outro problema latente é a evasão de profissionais do sexo feminino das universidades e consequentemente do mercado de trabalho. A Brasscom (BrasilMaisTI, 2013)  demonstra o cenário dessa queda: (i) em 1984, o percentual de mulheres graduadas na área de Ciência da Computação chegou a 37%; (ii) em 1987, mulheres já representavam a taxa de 42% dos empregos relacionado ao desenvolvimento de software e 34% de analistas de sistemas na América (o que representou um aumento); (iii) porém já em 1990  a percentagem de 40% de mulheres na computação caiu vertiginosamente, atingindo valores abaixo dos 12% (segundo Associação de Investigação de Computação). Castro (2013), discute que os profissionais de TI do sexo feminino equivalem a menos de um 1/5 do total dos profissionais que compõem o setor de TI no Brasil. Ainda, conforme Huallen (2012), em 2009 a taxa de matricula de mulheres em cursos na área de TI era de somente 10%, representando ainda uma queda do interesse feminino pela área de TI. Em 2011, o índice sofreu um pequeno aumento e já representa 16,14% de mulheres atuando no mercado de TI, o que demonstra um novo crescimento frente a marca de 13% em 2010 (Quirino et al. , 2011).

Alguns motivos para a baixa representatividade feminina na área de TI e, consequente evasão, perpassam pela falta de exemplos femininos, como discutem Schwartz et al. (2006). Schwartz et al. ( afirmam que essa característica tem sido apontada como um dos fatores que leva à pequena participação das mulheres nas ciências, principalmente nas ciências exatas. Outros fatores discutidos por Quirino et al. (2011) avançam por temas mais polêmicos, como o preconceito e a dificuldade de conciliar a profissão e a família. Outro fator que corrobora para a evasão é a defasagem do salário feminino, que em cargos de gestão de Tecnologia da Informação, por exemplo, possuem remuneração até 23% menor que os homens (CanalTech, 2013).

Diante do exposto, verifica-se que existe um problema quanto ao gênero de que vem assumindo  a área de TI no Brasil e no Mundo. Na tentativa de contornar esse problema políticas nacionais têm sido lançadas e implantadas visando diminuir o déficit de mulheres que migram para o setor de TI, criando, assim, novas diretrizes que guiam sobre as possibilidades da inserção da mulher no mundo científico e mercado de trabalho. Essas novas políticas de incentivo vão ao encontro da inserção da mulher visando também auxiliar a suprir a demanda de mão de obra na área de TI. Segundo pesquisas, “Se a escassez de mão de obra no setor de tecnologia da informação (TI) persistir, o Brasil pode deixar de arrecadar R$ 115 bilhões em receitas, em 2020”, segundo (Agência Brasil, 2012). Ainda, afirma-se que nos próximos 3 anos, a “nuvem” estimulará a inovação e o empreendedorismo em TI movimentando 1,1 trilhão de dólares principalmente nos países emergentes, inclusive no Brasil (Computer World, 2012).

Nesse contexto esse projeto ora proposto abre uma frente de trabalho visando fomentar e incentivar que as jovens e futuras universitárias e empreendedoras sergipanas sintam-se preparadas a ingressar nos cursos de CC, EC e SI em nosso estado para posterior ingresso no mercado de trabalho dessa área.